«

»

ago 08

Sensores

Aqui vamos ver que a transmissão automática  funciona com vários sensores acoplados na própria transmissão  e outros  sensores acoplados ao motor .

 

Sensor de velocidade do veículo – O VSS pode ser um sensor indutivo magnético ou de efeito hall, que colhe informação relativa à velocidade do veículo e a envia ao TCM. O VSS geralmente é montado na carcaça da transmissão, sendo excitado por um anel preso à caixa de satélites que, por sua vez, corresponde ao movimento das rodas do carro. Ao girarem as rodas, portanto, o sensor tem seu campo magnético alterado, gerando um sinal proporcional de velocidade dos semi-eixos ou eixo de saída, dependendo se o veículo possui tração dianteira ou traseira.

 

Ao girar o rotor do sensor de velocidade, as estrias passam em frente ao captador do sinal. Esta ação cria um pulso no sensor que é interpretado pelo TCM como velocidade. Quanto mais rápido o veículo estiver, maior será o número de dentes ou estrias que passam pelo captador do sensor num determinado tempo (fig.1).

Sensores

TPS

Sensor de posição da borboleta do acelerador – O TPS, composto de um potenciômetro ligado ao eixo da borboleta, mede o quanto o motorista pisa no pedal do acelerador. O TCM utiliza esta informação para mudar o padrão e sensibilidade de mudanças, além da pressão de linha. Ele também controla a aplicação da embreagem do conversor de torque (Lock-Up ou TCC).

 

O TCM é calibrado para prover mudanças ascendentes e descendentes a determinadas velocidades dependendo da posição do acelerador (fig.2).

Velocidade

Conforme apresentamos em edições anteriores, nas transmissões com controle hidráulico tínhamos duas pressões distintas geradas pelo pedal do acelerador (válvula de aceleração ou moduladora) e pela velocidade do veículo (regulador centrífugo ou governador) que se opunham dentro do corpo de válvulas, atuando sobre as válvulas de mudança e realizando as alterações hidraulicamente. Quanto mais se acelerava o veículo, mais a transmissão demorava a trocar as marchas, pois a pressão do governador deveria vencer este aumento de pressão moduladora antes da troca se efetivar.

 

De maneira semelhante, quando se deseja antecipar uma mudança ascendente, alivia-se o pé do acelerador, diminuindo a pressão moduladora. Isso faz com que a pressão do governador a sobrepuje e aja sobre a válvula de mudança da marcha, imediatamente superior. Desta forma, a mudança é efetivada.

 

Na transmissão com controle eletrônico, estes dois componentes deixaram de existir, bem como as pressões por eles geradas. Agora, o módulo aciona os solenóides de mudança e determina o momento mais apropriado para a troca de marcha, baseado nos sinais recebidos do VSS e do TPS.

 

Desta maneira, de certo modo, o corpo de válvulas de uma transmissão automática controlada eletronicamente é bem mais simples, pois possui menos elementos mecânicos em movimento.

 

Sensor de temperatura do fluido da transmissão (TFT) – Esse sensor é simplesmente um termômetro eletrônico NTC (coeficiente de temperatura negativo) que fica imerso em fluido da transmissão. O TCM utiliza a informação passada por ele para controlar a sensibilidade das mudanças e alterando a pressão de linha em função da temperatura e viscosidade do fluido.

 

O TFT também monitora a temperatura de trabalho da transmissão e, em caso de elevada temperatura do fluido, causada por utilização incorreta ou uso abusivo, o modo de emergência é aplicado e um código de falha registrado. A ação protege a caixa de mudanças automática.

Sensor de temperatura , geralmente acoplado ao corpo de válvulas

Sensor de Pressão do fluido- do mesmo modo que o modulo de controle necessita monitorar a temperatura do fluido , ao controlar sua temperatura e pressão o modulo tem toda a informação necessária para determinar o momento exato para as trocas de marcha . Existem vários tipos de sensores de pressão do fluido sendo o mais comum o do tipo de funcionamento por membrana que se deforma de acordo com o aumento de pressão . o controle da pressão hidráulica esta por conta da solenóide reguladora de pressão , cabendo ao sensor apenas a informação da pressão existente .

Sensor de pressão do fluido

Sensor de pressão do coletor -O sensor de pressão do coletor – MAP (manifold  air pressure ) tem como função informar ao modulo de controle a depressão causada pelo motor . A passagem  do ar e restringida pela borboleta do acelerador , como o sensor esta montado  após a borboleta , e o deslocamento volumétrico dos êmbolos  e maior do que o volume do tubo de admissão ocorre uma pressão negativa (depressão) . Quando o motor esta parado , mas com a chave de ignição ligada , o sensor indica pressão imposta pela atmosfera  ( pressão positiva ). Ambas as pressões são informações preciosas para que o modulo de controle  determine várias ações no motor e na transmissão

 

Principais ações do modulo de controle do motor :

 

*Tempo de injeção 

 

*Carga imposta ao motor

 

*Mistura estequiométrica ideal

 

Monitoramento da atmosfera .

Sensor Map

SENSOR DE FLUXO DE AR-  outra forma de se monitorar o ar admitido e através da quantidade de ar admitido pelo motor , denominado     MAF ( manifold  air Fluxe ) ou fluxo de ar do coletor , informa a quantidade de ar admitido pelo motor de três formas  possíveis :

 

1. Potenciômetro  – e instalada uma palheta no interior do sensor  que se deforma em função da quantidade de ar admitida pelo motor , método dos primeiros sensores de fluxo

 

2 .Fio aquecido -  O  modulo  fornece uma tensão de referencia que passa por um fio de bitola calibrada , este e aquecido pela corrente que percorre o circuito. Dependendo da quantidade  de ar admitido pelo motor , o sensor e resfriado pelo ar admitido. Quando  o ar esta aquecido este aumenta seu volume e diminui sua capacidade de resfriamento do  fio aquecido, sabendo desta condiçao o modulo controle identifica a quantidade de ar admitido pelo motor .

 

3.Filme aquecido - muito semelhante ao sistema de fio aquecido , uma película sensível a corrente elétrica também é aquecida pelo modulo, a passagem do ar admitido adota a mesma característica de resfriamento do filme .

 

Em todas as opções de monitoramento do ae admitido pelo motor , seja pela pressão (MAP) ou pela quantidade (MAF) esta informação devera ser precisa , pois o modulo utiliza a informação do ar admitido para os principais cálculos  do conjunto motor-transmissao. Nas transmissoes automaticas atuais , os sistemas de injeção operam com sistemas digitais de informação. Para o diagnóstico dos sensores MAP ou MAF o ideal é que o reparador tenha em mãos um scanner compatível , e os valores de pressão especificados pelo fabricante .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>